Inscrições

Olá, estamos reformulando o sistema de inscrições, que logo retornará para melhor atendê-lo, por hora as inscrições devem ser feitas pela própria federação organizadora.
Aniversariantes do mês

01/08
Luciana Mamede - PE
02/08
Pedro Henrique Paiva da Costa - PB
13/08
carlos - PE
19/08

19/08
Marcelo Casado - PE
27/08
- PB
 

Imagem 1
Imagem 2
Imagem 3
Imagem 4


Notícias

Tratamento de feridas em equinos
06/04/2018 - Fonte: Cavalus

Estas feridas são, na maioria das vezes, ocasionadas por objetos estranhos como cercas, portões ou materiais de construção. O esquema de classificação de feridas leva em consideração três aspectos básicos: contaminação, grau de exposição tecidual e localização. As feridas podem ser classificadas como abertas ou fechadas dependendo do grau de penetração na pele.

Feridas fechadas são aquelas que não atingem a espessura total da pele e incluem abrasões, contusões e hematomas. Feridas abertas penetram a derme e comumente envolvem estruturas mais profundas, estando incluídas neste caso as incisões, lacerações, avulsões e perfurações. Feridas abertas, contaminadas e lacerantes em membros são comumente encontradas em equinos.

A cicatrização das feridas é um processo complexo, no qual se desenvolvem reações vasculares, celulares e humorais que visam reparar o tecido original ou substituí-lo por colágeno. Durante este processo, o ideal é sempre deixar a ferida limpa e seca. Alguns cuidados como uso de agentes antimicrobianos ou antissépticos adicionados às soluções para lavagem da ferida, debridamento de tecidos desvitalizados, antibioticoterapia sistêmica e uso de drenos podem fazer a diferença no tratamento.

Os equinos são conhecidos pela formação excessiva de tecido de granulação em feridas cutâneas localizadas em extremidades, e esta complicação ainda é um desafio para o médico-veterinário e criador. Arames farpados constituem uma causa comum de feridas em cavalos.

Desta forma, manter as pastagens limpas e livres de objetos que possam causar traumas é primordial para evitar o problema. Além disto, utilizar um manejo sem estresse também pode ser uma boa forma de proteger os animais, visto que os equinos são animais ativos, com respostas rápidas e podem, desta forma, se envolver em acidentes desnecessários.


Comente | Comentários desta Notícia (0)


Outras Notícias
federações FILIADAS

nossos PARCEIROS


mídias SOCIAIS




nosso ENDEREÇO

Circuito N-NE de Hipismo
Fone.:(81)3343-5970/(81)3343-4837 | hipismo@hipismonortenordeste.com.br

Av. Bernardo Vieira de Melo, 428 - Sala 204
Piedade - Jaboatão dos Guararapes - Recife-PE | CEP: 54.440-620