Inscrições

Olá, estamos reformulando o sistema de inscrições, que logo retornará para melhor atendê-lo, por hora as inscrições devem ser feitas pela própria federação organizadora.
Aniversariantes do mês

04/02
Henry Hardman Henriques Virgolino Filho - PB
06/02
Pedro Veniss - SP
09/02
- PB
16/02
Alberto de Souza - MG
19/02
Gabrielle Caroline de Figueiredo Costa - PB
26/02
Marta Sousa - PE
27/02
Saint-Clair Passarinho - CE
 

Imagem 1
Imagem 2
Imagem 3
Imagem 4


Notícias

Como minimizar o risco de cólicas em equídeos
08/02/2018 - Fonte: Cavalus

Esta doença gastrointestinal geralmente é acompanhada de sinais de dor, mais especificamente na região abdominal dos equídeos (suor excessivo, animal rola no chão, morde a barriga, fica inquieto, tem respiração ofegante etc.). Se não forem tomados os devidos cuidados, essa doença pode levar o animal à morte rapidamente.

Primeiramente, quando se observa os sinais de inquietação do animal, a medida mais sensata e que poderá salvar a vida dele é entrar em conato com o médico veterinário com urgência. Qualquer tentativa de socorro realizada por leigos ou pessoas não capacitadas pode colocar em risco a vida do animal, ou também mascarar problemas mais graves. Então, a dica é: Nunca faça a aplicação de medicamentos sem antes consultar um profissional capacitado. Em alguns casos as cólicas precisam ser tratadas em um hospital por conta da gravidade, pois, para salvar o cavalo, será necessário recorrer a um procedimento cirúrgico.

A própria domesticação dos equídeos é um dos fatores causadores de cólicas, porque retiramos os animais de seus habitats e o colocamos em cocheiras, e, em muitos casos, restringimos o uso do volumoso e utilizamos grandes quantidades de ração.

Os equídeos são herbívoros e grandes selecionadores de alimentos, que chegam a pastar até 20 horas por dia, sendo assim, necessitam de volumosos de excelente qualidade e que estejam disponíveis à vontade.

É importante também se atentar à qualidade da água, pois um cavalo adulto poderá ingerir até 70 litros por dia, principalmente se estiver em regime de trabalho intenso. A falta de água poderá ocasionar cólicas, então é importante se atentar à disponibilidade e qualidade da água fornecida e também ao manejo na limpeza dos bebedouros.

Quanto às rações, que são fundamentais, principalmente para os cavalos atletas, o ideal é que se divida em diversas refeições, no mínimo três, pois a capacidade volumétrica do estômago é pequena. Portanto, adotando este manejo, consequentemente conseguimos minimizar o risco de cólicas.

Mantenha sempre o suplemento mineral disponível no cocho saleiro, à vontade, inclusive nos dias de competição. Os minerais estão envolvidos em diversos processos no organismo do animal, por exemplo, auxiliando na digestão de ingredientes e sínteses hormonais, e sua demanda aumenta quando os animais estão sendo mais exigidos fisicamente.

Inclua na rotina, mediante a indicação de um médico veterinário, o manejo correto de desverminação do rebanho, pois os parasitas gastrointestinais também causam cólicas.


Comente | Comentários desta Notícia (0)


Os Negócios dos Cavalos
02/02/2018 - Fonte: Cavalus

O Brasil dos cavalos vem experimentando um momento agradável na sua vida mercadológica.
Ao conversar com pessoas ligadas ao mercado, vemos que todos estão mais animados e pensando e discutindo seriamente o assunto, buscando resultados positivos financeiramente, controlando custos e administrando melhor seus produtos e serviços. Está comum ouvirmos a expressão ‘melhorou o negócio de cavalo’. Por incrível que possa parecer, esta melhora é resultado direto da última fase ruim dos anos 90, quando muitos desistiram, empresas e haras fecharam as portas e o mercado realmente estava muito parado.

Quando estávamos nesta fase baixa do mercado, os que ficaram não tiveram opção alguma senão tentar investir somente ou quase somente em qualidade e não em quantidade. Éguas e cavalos passaram a ser muito mais selecionados e ao mesmo tempo descartados, potros médios ou ruins não eram comercializados e nem mesmo registrados, e uma pitada de visão empresarial começava a aparecer em alguns criatórios e estabelecimentos equestres.

Isto culminou no que estamos vivendo hoje em dia. Os potros de qualidade selecionados naquela época são as mães e os pais de hoje, criando assim uma qualidade nos produtos. Os criadores de hoje, em sua maioria, investem em qualidade e não somente em quantidade, e trazem consigo experiências empresariais na gestão de seus criatórios. As empresas que hoje abrem suas portas não podem mais ser medíocres ou com pensamentos pequenos.

Ainda vemos isto acontecendo em alguns casos, mas o que mais vemos ainda são empresas que não são profissionais por completo. São as empresas ‘mais ou menos’, ou seja, executam ações que as colocam no mercado como algo que não é firme, concreto e de certa maneira sério. São empresas que nascem pequenas em tamanho e em ideia. Crescer em tamanho deve ser algo normal a qualquer empresa, mas não crescer em ideias e conceitos á algo que não se permite mais nas empresas de hoje em dia.

Tudo isto tem uma ligação direta com o conhecimento sobre cavalos. Às vezes vemos empresas do segmento equestre dirigidas por pessoas sem conhecimento sobre cavalos. Acredite, esta empresa corre mais risco de não dar certo, e certamente levará mais tempo para se firmar no mercado. Uma revista, uma indústria, uma hípica, uma confecção, um laboratório, e todos os tipos de empresa do segmento equestre, devem ter em seu comando pessoas que tenham conhecimento sobre cavalos.

Não raras são as indústrias que produzem equipamentos que não são adequados para cavalos, não raras são as traduções de publicações estrangeiras totalmente traduzidas ‘ao pé da letra’ e não com as terminologias equestres, não raros são os produtos que, de cara, na prateleira, se vê que não vai servir aos cavalos.

Um bom administrador de empresas é a pessoa que tem conhecimento sobre os aspectos de mercado, mas talvez principalmente sobre o negócio em que atua como um todo. Por isso os casos de multinacionais onde os presidentes são pessoas de carreira na empresa. Começaram como estagiários e foram subindo na hierarquia. Estas pessoas conhecem do negócio em que atuam como um todo, tanto na parte técnica como na administração.

Tudo isso nos direciona e mostra um só caminho: o do profissionalismo e da visão empresarial dentro do mercado de cavalos. É hora de estarmos atentos para que a ‘onda boa’ seja uma ‘onda eterna’, nos preocupando em aspectos nunca antes tidos como relevantes, como a prestação de serviços agregada ao produto, profissionais bem formados e especializados, qualidade na criação e na produção de cavalos. Qualidade, especialidade, honestidade e profissionalismo não são mais opções ou diferenciais. E, se são obrigações do nosso mercado, o conhecimento sobre cavalos deve vir por trás de tudo isto.


Comente | Comentários desta Notícia (0)


Perspectiva da ABCCC para o ano de 2018 é altamente promissora
26/01/2018 - Fonte: Cavalus

Aumento de participação em provas da raça e realização da FICCC no Brasil embalam perspectiva positiva
O ano de 2018 para o Cavalo Crioulo deve ser promissor e com novos recordes batidos em participações nas modalidades esportivas. Essa é a expectativa da Associação Brasileira de Criadores de Cavalos Crioulos – ABCCC. Segundo seu presidente, Eduardo Suñé, embora o país enfrente uma crise sem precedentes, desde a Expointer, passando pelas credenciadoras ao Freio de Ouro e outras provas esportivas realizadas na sequência, os números registrados estão acima da média.

Para o dirigente, a grande quantidade de animais participando dos eventos da raça reflete a perspectiva. Suñé relembra que já iniciaram o ano com bastante otimismo e que o Crioulo tem a chance de ter uma temporada com desenvolvimento, crescimento e liquidez. Pelo menos ele garante muito trabalho e empenho de todos na ABCCC para que essa meta seja alcançada. Suñé relembra que 2017 foi de impressionante crescimento do cavalo Crioulo no Laço e na Paleteada, então a expectativa é para que a ascenção se estenda para as demais modalidades.

Em relação ao mercado, o presidente avalia que o ano de 2017 surpreendeu positivamente pela liquidez. Lembra que os preços tiveram adequações em relação aos outros anos, o que é normal perante a crise, mas com bastante demanda principalmente por criadores e usuários do centro do país. A ideia para 2018 é de expandir a raça, especialmente nas regiões centro e norte do país, mobilizando os núcleos.

Os eventos como as classificatórias ao Freio de Ouro e as Exposições Passaporte para a morfologia vão agitar criadores em pelo menos oito estados brasileiros e o Distrito Federal. O ano de 2018 também será marcado pelo evento da Federação Internacional dos Criadores de Cavalos Crioulos (FICCC), considerada a ‘Copa do Mundo’ do Cavalo Crioulo, que ocorrerá de 14 a 20 de maio, no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio/RS.


Comente | Comentários desta Notícia (0)


Ser voluntário na ‘Olímpiada’ do cavalo está à distância de um clique
24/01/2018 - Fonte: Cavalus

Já imaginou trabalhar no maior evento equestre do mundo? Sim, é possível, através do voluntariado. E as inscrições já começaram. O processo seletivo para ser voluntário nos Jogos Equestres Mundiais, no Tryon Equestrian Center (TIEC), está aberto e os interessados devem preencher a requisição online no portal www.tryon2018.com.

Segundo a Confederação Brasileira de Hipismo, o envio da candidatura é o primeiro passo de uma série de requisitos. Os próximos passos serão disponibilizados em um portal específico para voluntários a ser lançado em março, dando início ao processo de recrutamento. Cada voluntário irá criar um login e senha, responder a perguntas de segurança e qualificação, comprar o uniforme e assinar um documento de isenção de responsabilidade.

Só em abril que os voluntários pré-selecionados serão notificados e convidados a acessar o portal do Voluntariado. O dia 1º de maio será a data limite para responder a todos os requisitos. Já o processo de orientação e treinamento acontece entre junho e setembro.

Os Jogos Equestres Mundiais acontecem de quatro em quatro anos com disputas de Salto, Volteio, Concurso Completo de Equitação, Adestramento, Atrelagem, Enduro, Paraquestre e Rédeas. O Brasil manda equipes em todas as classes e a expectativa é grande.

O Tryon International Equestrian Center tem uma área de mais de seis milhões de metros quadrados, com 1,2 mil cocheiras permanentes, 12 picadeiros incluindo uma arena internacional iluminada com capacidade para 12 mil pessoas e área VIP para 1,5 mil, além de uma arena coberta com cinco mil lugares sentados. A expectativa é receber 500 mil espectadores ao longo de 14 dias de Jogos.


Comente | Comentários desta Notícia (0)


A calibragem
22/01/2018 - Fonte: Cavalus

O treinador de um cavalo deve ter em mente o cavalo que quer fazer. Isto todos sabemos e, apesar de parecer ‘básico’ não são muitos os treinadores que prestam atenção nisto.
Estamos vivendo um momento importante no nosso mercado. É grande o aumento de clientes que chamamos de “usuários” do cavalo, ou seja, pessoas que têm 1 ou 2 cavalos e que os utilizam nos finais de semana em provas ou passeios. Estas pessoas, em sua maioria, são “da cidade”, ou seja, nada tem a ver com fazenda ou atividades rurais. Em compensação, são pessoas apaixonadas pelo campo, adoram seus cavalos e querem sempre o melhor para eles. Compram os melhores equipamentos, contratam os melhores serviços, querem seus cavalos sempre bonitos e saudáveis e não economizam para isto. Para nós profissionais, alguns sinais estão sendo acesos, para que prestemos atenção. Estas pessoas querem cavalos que dêem prazer, satisfação, segurança e principalmente que façam com que o final de semana seja algo prazeroso e divertido. Isto muda tudo na hora de se fazer um cavalo, na hora de se comercializar um cavalo.

O treinador de um cavalo deve ter em mente o cavalo que quer fazer. Isto todos sabemos e, apesar de parecer “básico” não são muitos os treinadores que prestam atenção nisto. Ainda assim, a partir desta mudança no perfil dos clientes, temos que pensar mais ainda sobre os cavalos que treinamos e chegarmos ao que chamo de calibragem máxima de cada cavalo a cada cavaleiro. O perfil do cavaleiro deve ser levado em conta na hora de se treinar este cavalo. Mas o que é o perfil? É a experiência, o jeito que ele monta, as coisas que ele quer fazer com o cavalo, a modalidade, a freqüência com que ele monta, enfim, o que, como e quando ele quer fazer com o cavalo. Calibrar um cavalo significa deixá-lo absolutamente pronto para receber o cavaleiro, independentemente de qualidade de equitação. Quando se tem um cavalo sem esta calibragem, temos um cavaleiro insatisfeito em algum momento.

Conheço proprietários que passam a não conseguir montar seus cavalos, pois estes estão muito quentes ou fora de contexto para a característica de montada de seu proprietário. E é nesta hora que o treinador deve entrar. É como passar a semana calibrando o cavalo para que no final de semana a “descalibragem” aconteça naturalmente, sem stress e tensão. Este é e será cada vez mais o trabalho de treinadores que preparam cavalos para amadores. Este será o contexto a partir de agora, já que é muito grande o volume de cavaleiros que querem cavalos mansos, calmos, quietos e seguros. Cavalos que deixem seus proprietários montarem sem sair andando, cavalos que não mordam, não disparem, que possam ser os últimos da fila no passeio, cavalos que não assustem ou causem medo. São os cavalos calibrados…


Comente | Comentários desta Notícia (0)


Outras Notícias
federações FILIADAS

nossos PARCEIROS


mídias SOCIAIS




nosso ENDEREÇO

Circuito N-NE de Hipismo
Fone.:(81)3343-5970/(81)3343-4837 | hipismo@hipismonortenordeste.com.br

Av. Bernardo Vieira de Melo, 428 - Sala 204
Piedade - Jaboatão dos Guararapes - Recife-PE | CEP: 54.440-620